Pesquisar neste blog

23 de dez de 2012

Campanha de Adoção "O Gato Carioca" 13.01.2013

Tios e Tias, 
Eu o inconfundível Frederico O Gato Carioca,
venho convidar a todos para se unirem neste ato de amor aos animais.

FREDERICO O GATO CARIOCA.
O  Projeto O Gato Carioca,  idealizado e mantido pela iniciativa privada através da Boutique do Gato com o apoio de amigos que prestigiam com a compra da rifa mensal, tem ajudado a muitos gatinhos a ganharem um lar.
Ser adotado É... nascer no coração de alguém! 
Márcia Dias

RESGATAMOS, TRATAMOS E ENCAMINHAMOS A ADOÇÃO
Esta será a 1.ª Campanha de Adoção de 2013 e esperamos chegar ao Gatinho 1000 em breve!
PARA INICIAR O ANO COM PÉ DIREITO, TODOS GANHARÃO UM PRESENTE!
QUEM ADOTA E QUEM DOA TERÁ GARANTIDA A SUA CARICATURA OU A DE SEU NOVO AMIGATINHO OU AMBOS JUNTOS PARA REGISTRAR ESTE ATO DE AMOR!

Contamos com a presença de todos para prestigiarem o evento no domingo,
dia 13 de janeiro de 9 às 12:30h na Pç. Xavier de Brito, TIJUCA, Rio de Janeiro.

RESERVAS PARA ADOÇÃO ATRAVÉS DO EMAIL DO PROJETO,
CONHEÇAM NOSSOS GATINHOS NO FACEBOOK!


Gatos e uma boa alimentação!

Gato Leo Bonnie,
o comilão!
Muitas pessoas ao adotarem um gatinho se deparam com uma infinidade de rações e, os menos atentos, acabam contribuindo para maus hábitos oferecendo "comida humana" aos seus bichanos.

Erro frequente nas adotantes de primeira viagem é a compra por imagem e marketing mas não buscam ler a composição e saber quais seriam as necessidades em cada idade e em cada situação.


Gatos se alimentavam quase exclusivamente de carne, não necessitando de grandes quantidades de carboidratos ou cereais. 
O sistema digestório curto, a conformação dos dentes e maxilar e a ausência de amilase salivar confirmam este ponto. 

Gatos filhotes: Posso dar leite? NÃO, somente o recomendado para felinos em substituição ao leite materno. Usado geralmente em ninhadas resgatadas de mãe falecida ou não encontrada. O ideal: ração para gatos filhotes, preferencialmente que tenham um componente L Lisina que ajuda na prevenção de doenças respiratórias muito comum em gatos filhotes, que ainda não foram vacinados.

17 de dez de 2012

Todos os gatos miam?

Tenho 4 gatos que não miam, são normais???
Fui surpreendida com uma adotante ansiosa porque a sua gatinha não miava alto...ou não miava segundo palavras dela. Logo que viu a gatinha se apaixonou. Já havia enviado questionário para adoção e faltava conhecer a bichana. 

A gatinha escolhida é daquele tipo "sonho de gata", branca, olhos claros e peludinha, 3 meses.  Mas o que chamava atenção era a falta do miado...fui pesquisar e encontrei um artigo  no MUNDO ANIMAL e no Manual do Gatinho Feliz  (sosgatinhos) e resolvi publicar para que os TUTORES de primeira ADOÇÃO saibam que não miar não é defeito nem doença. Leiam...
Existem diversos motivos para os gatos miarem. Pode ser para pedir comida, cafuné ou até mesmo na hora em que estão bravos. Na verdade, os gatos mostram os seus sentimentos através da emissão de alguns sons. Ou seja, o miado é considerado uma de suas formas de comunicação

15 de dez de 2012

Mensagem de final de ano! 2012 foi...VIVA 2013!!!!


Hoje, com a última campanha de rua, encerramos mais um ano de trabalho voluntário dedicado aos felinos que resgatamos e ajudamos de alguma forma.
Foram Campanhas de rua, resgates e acolhimento, tratamento mas muitos ainda virão, infelizmente! O abandono, maus tratos e falta de respeito com a vida dos animais é gritante e minha mensagem para as famílias não será diferente - CRIEM SERES HUMANOS DIGNOS, AMÁVEIS, RESPONSÁVEIS E  GENEROSOS.

O EMPREENDEDORISMO SOCIAL É UM GRANDE APRENDIZADO PARA AQUELES QUE SE AVENTURAM EM ARRISCAR UM SONHO comigo foi assim...meu sonho? Que cada gatinho que cruzasse o meu caminho teria um lar. Essa é a minha busca, este o meu trabalho voluntário na causa animal, busco dar a eles condições para ganharem bons lares. Resgatamos  gestantes e gatinhas com ninhadas, ninhadas abandonadas, gatinhos sozinhos perambulando, adultinhos e foram mais de 500 adoções nestes 22 meses do Projeto. Testamos TODAS as mães para FELV e FIV, vacinamos e castramos para que fossem adotadas, conseguimos!

13 de dez de 2012

FELV estudo da UFMG



Ocorrência do vírus da leucemia felina 
em Felis cattus em Belo Horizonte

F.M. Coelho 1; M.Q. Maia 1; M.M. Luppi 1; E.A. Costa 1e 2; A.P.M.F. Luiz 1; N.A. Ribeiro; M.R.Q. Bomfim1; F.G. Fonseca 3; M. Resende 1
1 Laboratório de Virologia Comparada - Instituto de Ciências Biológicas - UFMG - Belo Horizonte, MG
2 Laboratório de Patologia Molecular - Escola de Veterinária - UFMG - Belo Horizonte, MG
3 Laboratório de Agentes Recombinantes - Instituto de Ciências Biológicas - UFMG - Belo Horizonte, MG



O vírus da  leucemia felina (FeLV), pertencente à família  Retroviridae e ao gênero ammaretrovirus, pode infectar gatos domésticos e esporadicamente felinos selvagens. Este retrovírus felino está associado a uma série de doenças degenerativas ou proliferativas, tais como leucemias e linfomas. A leucemia e o linfoma são manifestações incomuns da infecção provocada pelo FeLV nos animais persistentemente infectados, sendo mais frequente o desenvolvimento de anemias, doenças neurológicas e imunodeficiências. O 
FeLV foi classificado em quatro subgrupos distintos, FeLV-A, FeLV-B, FeLV-C e FeLV-T, 
de acordo com diferenças nas sequências de nucleotídeos da região N-terminal da glicoproteína de superfície (SU). Tais variações nesta proteína provocam alterações estruturais responsáveis pela utilização de diferentes receptores nas células hospedeiras (Levy  et al., 2008; Torres et al., 2010). 

RECEBA POR EMAIL