Pesquisar neste blog

25 de ago de 2013

NISE DA SILVEIRA uma pioneira no tratamento psiquiátrico com seus gatos terapeutas.

Nascida em Maceió/AL em 15 de fevereiro de 1905 traz na sua bagagem o Título de  Médica Psiquiatra pela Faculdade de Medicina da Bahia. Foi aluna de Carl Jung e dedicou a sua vida a tratar os transtornos de forma menos agressiva que o usualmente adotado na época. Faleceu em 30 de outubro de 1999 deixando um legado de respeito ao próximo e trazendo à Medicina uma forma mais humana de tratar as limitações.

Dra Nise acreditava na relação de afeto estabelecida entre seus pacientes e os animais, preferencialmente os gatos! Da terapia ocupacional passaram a fazer parte também dezenas de gatos que caíam nas graças de Nise. Ela admirava a atitude independente dos felinos, permitindo e incentivando o convívio dos pacientes com eles. 

Dra.Nise e seu Gato Carlos uma tela do
paciente artista  Emygdio de Barros.

Aprovada aos 27 anos num concurso para psiquiatra, em 1933 começou a trabalhar no Serviço de Assistência a Psicopatas e Profilaxia Mental do Hospital da Praia Vermelha.
Durante a Intentona Comunista foi denunciada por uma enfermeira pela posse de livros marxistas. A denúncia levou à sua prisão em 1936 no presídio da Frei Caneca por 18 meses. Viveu na clandestinidade até 1944, até ser reintegrada ao serviço público e inicia seu trabalho no Centro Psiquiátrico Nacional Pedro II, no Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, onde retoma sua luta contra as técnicas psiquiatricas que considera agressivas aos pacientes.

Por sua discordância com os métodos adotados nas enfermarias, recusando-se a aplicar eletrochoques em pacientes, Nise da Silveira é transferida para o trabalho com terapia ocupacional, atividade então menosprezada pelos médicos. 

Assim em 1946 funda nesta instituição a "Seção de Terapêutica Ocupacional". No lugar das tradicionais tarefas de limpeza e manutenção que os pacientes exerciam sob o título de terapia ocupacional, ela cria ateliês de pintura e modelagem com a intenção de possibilitar aos doentes reatar seus vínculos com a realidade através da expressão simbólica e da criatividade, revolucionando a Psiquiatria então praticada no país.

O Museu de Imagens do Inconsciente, fundado em 1952, no Rio de Janeiro,era  um centro de estudo e pesquisa destinado à preservação dos trabalhos produzidos nos estúdios de modelagem e pintura que criou na instituição, valorizando-os como documentos que abrem novas possibilidades para uma compreensão mais profunda do universo interior do esquizofrênico.

Entre outros artistas-pacientes que criaram obras incorporadas na coleção desta instituição podemos citar: Adelina Gomes; Carlos Pertuis; Emygdio de Barros, e Octávio Inácio.

Poucos anos depois da fundação do museu, em 1956, Nise desenvolve outro projeto também revolucionário para sua época: cria a Casa das Palmeiras, uma clínica voltada à reabilitação de antigos pacientes de instituições psiquiátricas.
Neste local podem diariamente expressar sua criatividade, sendo tratados como pacientes externos numa etapa intermediária entre a rotina hospitalar e sua reintegração à vida em sociedade.

O auxílio dos animais aos pacientes

Ao perceber que a responsabilidade de cuidar de um animal e o desenvolvimento de laços afetivos pode contribuir para a reabilitação de doentes mentais, Nise da Silveira os incorporou a seu trabalho como co-terapeutas.
Foi uma pioneira na pesquisa das relações emocionais entre pacientes e animais, que costumava chamar de co-terapeutas.
Percebeu esta possibilidade de tratamento ao observar como um paciente a quem delegara os cuidados de uma cadela abandonada no hospital melhorou tendo a responsabilidade de tratar deste animal como um ponto de referência afetiva estável em sua vida.

Ela expõe parte deste processo em seu livro "Gatos, A Emoção de Lidar", publicado em 1998.

Através do conjunto de seu trabalho, Nise da Silveira introduziu e divulgou no Brasil a psicologia junguiana. Jung a estimulou a apresentar uma mostra das obras de seus pacientes que recebeu o nome "A Arte e a Esquizofrenia", ocupando cinco salas no "II Congresso Internacional de Psiquiatria", realizado em 1957, em Zurique. Ao visitar com ela a exposição, a orientou a estudar mitologia como uma chave para a compreensão dos trabalhos criados pelos internos.

Fonte:
- <http://ade-arte.blogspot.com.br/2012/06/nise-da-silveira.html>
- <http://blognovamente.blogspot.com.br/2011_02_01_archive.html>
- <http://pt.wikipedia.org/wiki/Nise_da_Silveira>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RECEBA POR EMAIL